mswindows.org cheap office-professional-plus-2016 key parajumpers sale www.troilus.es anneshealinghands.nl canada goose jas parajumpers outlet

Novidades:

37 Visualizações

A Lego tem agora uma “casa de brinquedo”


O parque temático Legoland, que é o carro-chefe do grupo Lego, atrai milhões de visitantes a cada ano para a cidade dinamarquesa de Billund, onde a companhia está sediada.

E desde setembro de 2017 esse parque conta com uma nova atração: a Lego House, uma construção gigantesca em forma de blocos de Lego. Localizada no centro de Billund, ela é tanto um templo para a celebração do brinquedo, quanto um ponto de descontração para os visitantes!!!

Todos os locais desse edifício de 12.000 m2 foram projetados com a Lego em mente: do exterior escalável, construído com blocos azuis e amarelos, e ampliados para a escala humana, até a “árvore de criatividade”, com quase 15 m de altura. Construída para homenagear as raízes da empresa, que começou suas atividades como fabricante de brinquedos de madeira, ela conta com 6,3 milhões de blocos.

A escada em espiral no centro do edifício leva o visitante até a galeria de obras-primas das criações da Lego, onde as inúmeras possibilidades dos blocos se revelam na forma das mais variadas esculturas – como os seus três dinossauros com 3 m de altura.

Depois da galeria, especialmente os turistas mirins podem prosseguir até os setores concebidos para estimular sua criatividade, conexão, emoção e cognição. Em cada um deles os funcionários oferecem sugestões e ajudam as crianças a encontrar as peças perfeitas para seus projetos, isso em meio a cerca de 25 milhões de blocos.

Legoland em Billund, Dinamarca.

Na Race Track, ou zona azul, os visitantes podem vasculhar uma pilha de peças Lego em busca de partes aerodinâmicas para montar seus carros e competir com outros visitantes. Já no Robo Lab, eles aprendem técnicas de programação para conduzir robôs por um terreno ártico. Enquanto isso, no Duplo Train Builder as crianças pequenas são encorajadas a se tornarem condutores ferroviários, usando trilhos entrelaçados para movimentar os trens.

Mas além dessas zonas de experiência e das áreas de lazer abertas ao público, a Lego House possui o Mini Chef, o primeiro restaurante Lego do mundo!!! Nele, cada freguês recebe um pacote de blocos vermelhos, verdes, azuis e pretos, que correspondem a itens do cardápio. Para fazer seu pedido cada cliente precisa selecionar um bloco de cada cor, montar as refeições e colocá-los em uma bandeja presa a um iPad. As refeições custam Kr 169 e Kr 98 (coroas dinamarquesas) para cada adulto e criança, respectivamente (algo como R$ 88 e R$ 50), e vêm em caixas de marmita feitas de Lego. Não há garçons tradicionais. Os pedidos são apanhados em um balcão onde trabalham dois robôs, embora “auxiliares” humanos espalhados pelo restaurante sirvam as bebidas alcoólicas e não alcoólicas e respondam as perguntas dos clientes.

Como se nota, a Lego House é um local típico para se divertir e brincar. Certamente inspirados por esse exemplo da Lego, têm surgido muitos empreendedores abrindo “casas para brincar” e locais para as crianças se divertirem nos shoppings brasileiros.

Em contrapartida, as famílias têm procurado incluir nas atividades das crianças coisas que sejam criativas, em especial nas festas infantis, que passaram a ter oficinas culinárias e de pintura, além de diversas brincadeiras. Também surgiram, mais especificamente em São Paulo, estabelecimentos nos quais são oferecidas atividades que ajudam as crianças em seu desenvolvimento criativo e emocional. Esse é o caso de instituições educacionais como a Casa do Brincar, o Quintal 7 Cores, a Casa das Ideias, o grupo Curumin etc.

Que bom que estão se espalhando por aí empreendimentos capazes de lucrar disponibilizando oportunidades de entretenimento com atividades clássicas como o desenho e a pintura!!! Mas sem dúvida ainda falta em nosso País algo semelhando ao que se tem na Lego House, não é mesmo? Em tempo, muitos acampamentos de férias programados para receber milhares de crianças no mês de julho, já divulgam seus programas de atividades com muitas festas e oficinas, além de diversas opções de esportes náuticos e radicais, além da promessa de muito contato com a natureza. Há também neles algumas regras e proibições bem explícitas – nada de videogames, nada de Wi-Fi e o celular deve ser mantido desligado!!!

Conteúdo produzido pela redação da revista Criática.

Publicado recentemente

»

Os e-sports podem um dia ser incluídos nos Jogos Olímpicos?

Temos hoje muitos campeonatos de games, como os de Counter Strike (de ...

»

A Lego tem agora uma “casa de brinquedo”

O parque temático Legoland, que é o carro-chefe do grupo Lego, ...

»

Turistas desejam vivenciar experiências cada vez mais inusitadas

Inicialmente, deve-se destacar que o turismo-indústria representa ...

»

Disney compra Fox para enfrentar a Netflix e a Amazon

No final de 2017, a Walt Disney & Co adquiriu o conglomerado 21st ...

»

Cidades Paulistas Inspiradoras – O Desenvolvimento Estimulado Pela Economia Criativa

A DVS Editora acaba de lançar os livros “Cidades Paulistas ...

»

Dear Basketball – o curta-metragem que deu um Oscar a Kobe Bryant

Kobe Bryant, que recentemente se aposentou, resolveu fazer um filme ...

»

Tudo indica que os filmes humorísticos brasileiros não atraem grandes públicos

Diversas pesquisas indicam que cerca de 85% dos homens adultos adoram ...

»

O projeto de Ferran Adrià: Bullipedia

O chef Ferran Adrià, do icônico restaurante El Bulli, que fechou em ...

»

Um estádio altera de forma significativa o plano urbanístico de uma cidade

Em 4 de fevereiro de 2018 aconteceu na cidade de Minneapolis, no ...