mswindows.org cheap office-professional-plus-2016 key parajumpers sale www.troilus.es anneshealinghands.nl canada goose jas parajumpers outlet

Novidades:

3829 Visualizações

As vantagens e os perigos da inteligência artificial


O filósofo sueco Nick Boström, professor na Universidade de Oxford, no Reino Unido, autor do livro Superintelligence: Paths, Dangers, Strategies (algo como Superinteligência: Caminhos, Perigos e Estratégias) soou o alarme: “Se criarmos inteligências superiores à nossa, poderemos nos tornar obsoletos”.

Se máquinas mais inteligentes e poderosas do que nós existirem, nossa sobrevivência dependerá delas.

O que garante que elas nos preservarão?
Em entrevista para a BBC de Londres, o famoso físico britânico Stephen Hawking profetizou: “O desenvolvimento de uma inteligência artificial completa poderia significar o fim da raça humana. A evolução das máquinas ocorreria em uma velocidade crescente contra a qual os humanos não conseguiriam competir.”

Por seu turno, o notável empreendedor Elon Musk, que está envolvido com projetos ousados como o carro elétrico Tesla e a empresa de transporte espacial Space X, que já doou US$ 10 milhões para o instituto Future of Life, que monitora os possíveis riscos da inteligência artificial de nível humano, declarou: “É preciso ser supercuidadoso com a inteligência artificial, a qual, para mim, potencialmente mais perigosa do que a energia nuclear.”

O provocante livro de Nick Boström.

Já o especialista brasileiro em temas científicos Marcelo Gleiser salientou: “É bem mais provável que o futuro da inteligência esteja dentro do cérebro humano, e não fora. Seremos nós, ou nossos híbridos, a nos tornarmos superinteligentes, estendendo nossa capacidade mental através da união do biológico com o cibernético. O futuro não está nas máquinas, mas na inteligência humana artificialmente ampliada.

Não estamos desenhando nosso fim, mas uma nova espécie, capaz de transcender os limites evolucionários que determinam o funcionamento do cérebro e do corpo.

Com isso, não devemos temer o futuro da pesquisa em inteligência artificial, mas vê-la como uma oportunidade de emancipação, de crescimento da espécie. Certamente, nossos descendentes serão mais inteligentes e, esperemos, mais sábios!!!”

E você, caro leitor, o que acha que será de nós se as máquinas também pensarem?

Engenheiro, mestre em estatística, professor, autor de dezenas de livros, gestor educacional, palestrante e consultor. Editor chefe da Revista Criática.

Publicado recentemente

A verdade e a estatística
»

A verdade e a estatística

Ao longo de algumas décadas fui professor de Estatística em várias ...

»

Cresce o número de chefs nas calçadas das cidades americanas

Depois da crise financeira que surgiu nos EUA em 2008, e alastrou-se ...

»

Não falarás palavrões, mas parece que vivemos num ambiente propício para o analista de Bagé!!!

Depois da mania do politicamente correto (será que ela emplacou?), ...

»

A tecnologia ajudando a diminuir os custos hospitalares e dos cuidados com a saúde.

Ao permitir a detecção precoce de várias doenças e, desse modo, ...

»

Cantores de música sertaneja invadem as festas de São João no Nordeste

Por incrível que pareça, a música sertaneja está invadindo cada ...

»

Spinner, o brinquedo metálico sensação do momento

O Spinner é um brinquedo metálico que basicamente impressiona por ...

»

Arquitetos espanhóis recebem o prêmio Pritzker

Os espanhóis Rafael Aranda, Carme Pigem e Ramon Vilalta, do estúdio ...

»

Elias Fausto entrou em uma nova era com o prefeito Maurício Baroni

A Criática teve a possibilidade de uma entrevista exclusiva com o ...

»

Os clubes de bordado estão proliferando no Brasil!

A gaúcha Bruna Antunes criou o curso Bordado Empoderado em 2016 e um ...