mswindows.org cheap office-professional-plus-2016 key parajumpers sale www.troilus.es anneshealinghands.nl canada goose jas parajumpers outlet

Novidades:

429 Visualizações

Nos EUA, voltam os investimentos nas livrarias e na edição de livros de papel!!!


Em 2010, especialmente difundida a partir do Estados Unidos da América (EUA), espalhou-se a notícia do fim dos livros impressos, isso porque os leitores estavam migrando para os dispositivos digitais que permitiam a leitura dos e-books, ou seja, os livros eletrônicos. Por sinal, no período de 2008 e 2010, as vendas de e-books nos EUA cresceram 1.295%, levando os livreiros ao pânico.

As vendas de livros de papel tiveram significativas reduções, com o que as editoras e autores ficaram muito temerosos que os livros eletrônicos, bem mais baratos, lhe roubassem toda a dianteira. Esse medo cresceu muito quando em 2011, a famosa cadeia de livrarias Borders pediu concordata.
Pois é, os livros eletrônicos pareciam um foguete, não paravam de subir, mas o apocalipse não se confirmou até agora, pois os analistas haviam previsto que os livros eletrônicos superariam os de papel até o fim de 2015!?!?
Ao contrário, o que se constatou é que os livros digitais desaceleraram!!!

O que se notou nesse segundo semestre de 2015 é que os leitores estão voltando ao papel ou se tornando leitores híbridos. No primeiro semestre de 2015, a venda de livros eletrônicos nos EUA caiu 10%, fundamentando-se no que comercializaram 1.200 editoras.

Em 2014, os livros digitais nos EUA tiveram 20% do mercado, e tudo indica que essa participação será um pouco menor em 2015. Esse declínio na popularidade dos livros eletrônicos pode sinalizar que as editoras, apesar de não serem imunes ao desordenamento promovido pela tecnologia digital, sobreviverão ao seu maremoto melhor do que outras formas de mídia, como a música e a televisão.

Tudo indica que as livrarias tradicionais existirão ainda algumas décadas.

Tudo indica que as livrarias tradicionais existirão ainda algumas décadas.

Os serviços de livros eletrônicos por assinatura, modelados em empresas como a Netflix e a Pandora, não emplacaram, as vendas de aparelhos específicos para a leitura – como o Kindle – caíram à medida que os leitores migravam para os tablets e smartphones, e de acordo com algumas pesquisas, leitores jovens que cresceram na era digital ainda preferem ler em papel.

Essa surpreendente resistência da palavra impressa deu força a muitos livreiros e as livrarias independentes, abaladas pela recessão e concorrência da Amazon, que vêm mostrando forte sinal de ressurgimento. Aliás, a Associação Norte-Americana de Livrarias tinha 1.712 membros com lojas em 2.227 localidades em 2015, ante 1.410 membros em 1.660 localidades em 2010.

As editoras nos EUA, buscando aproveitar a virada, estão despejando dinheiro em sua infraestrutura de impressão e distribuição. A Hachette ampliou em 20 mil m2 o seu espaço de armazenagem em 2014, e a Simon & Schuster está expandindo o seu em 18 mil m2 .
A Penguin Random House – que controla cerca de 250 selos editoriais no mundo – investiu quase US$ 100 milhões na expansão e atualização de seus armazéns e está acelerando a distribuição de seus livros. No ano passado seu armazém mais que dobrou de tamanho.

Marcus Dohle, presidente-executivo da Penguin Random House, disse: “As pessoas falavam sobre a morte dos livros em papel como se fosse só questão de tempo, mas mesmo dentro de 50 ou 100 anos eles serão parte importante de nosso negócio.”

Bem, se isso está ocorrendo nos EUA, certamente acabará sendo o que vai acontecer daqui para frente no Brasil, onde os e-books nem chegaram ainda a representar uma parcela significativa das vendas das editoras, não é?

Conteúdo produzido pela redação da revista Criática.

Publicado recentemente

»

Disney compra Fox para enfrentar a Netflix e a Amazon

No final de 2017, a Walt Disney & Co adquiriu o conglomerado 21st ...

»

Cidades Paulistas Inspiradoras – O Desenvolvimento Estimulado Pela Economia Criativa

A DVS Editora acaba de lançar os livros “Cidades Paulistas ...

»

Dear Basketball – o curta-metragem que deu um Oscar a Kobe Bryant

Kobe Bryant, que recentemente se aposentou, resolveu fazer um filme ...

»

Tudo indica que os filmes humorísticos brasileiros não atraem grandes públicos

Diversas pesquisas indicam que cerca de 85% dos homens adultos adoram ...

»

O projeto de Ferran Adrià: Bullipedia

O chef Ferran Adrià, do icônico restaurante El Bulli, que fechou em ...

»

Um estádio altera de forma significativa o plano urbanístico de uma cidade

Em 4 de fevereiro de 2018 aconteceu na cidade de Minneapolis, no ...

»

O incrível Elon Musk continua surpreendendo

Em 17 de novembro de 2017, nas dependências de um campo de aviação ...

»

Novos vídeos da série sobre Economia Criativa no nosso canal do Youtube

Você já pode conferir os novos vídeos que o professor Victor ...

»

Alimentos que ajudam o seu bom-humor!

Pesquisas têm mostrado que existe uma relação cada vez mais ...